Projetos em estudo

Linha Vermelha


Créditos: Metropolitano de Lisboa

A Linha Vermelha será prolongada até à zona ocidental de Lisboa, mais concretamente até Alcântara, onde o serviço de transporte público pesado é francamente deficitário, servindo zonas de elevada procura, com densidade habitacional, comercial e de serviços significativa. Esta extensão terá cerca de 4 km e contará com 4 novas estações: Amoreiras, Campo de Ourique, Infante Santos e Alcântara. Na nova estação terminal será feita a ligação à futura Linha Intermodal Sustentável, promovendo assim a ligação rápida ao concelho de Oeiras.

Este projeto encontra-se previsto no Plano de Recuperação e Resiliência, contanto com um investimento europeu de 304 milhões de euros. Numa análise a 30 anos, os benefícios potencialmente gerados por esta expansão alcançam os 1047 milhões de euros.

Estação Amoreiras


Créditos: Metropolitano de Lisboa

A futura estação Amoreiras ficará localizada no extremo sul da Avenida Conselheiro Fernando de Sousa. Ficará a apenas 18 metros da superfície, o que permite a construção da mesma por escavação a céu aberto pelo método de cut and cover.

Estação Campo de Ourique


Créditos: Metropolitano de Lisboa

A futura estação Campo de Ourique ficará localizada no centro do bairro do mesmo nome, junto ao Jardim da Parada, no eixo da Rua Tomás da Anunciação entre a Rua Infantaria 16 e a Rua Almeida e Sousa. A estação deverá ser construída a 35 metros de profundidade recorrendo ao método de construção NATM (New Austrian Tunnelling Method).

Estação Infante Santo


Créditos: Metropolitano de Lisboa

A futura estação Infante Santo ficará localizada sensivelmente a meio da Avenida Infante Santo, servindo a Tapada das Necessidades e os Bairros da Estrela e Lapa. Devido à forte inclinação da Avenida Infante Santo, esta estação terá uma grande variação de profundidades entre os seus dois extremos, alcançando uma profundidade média prevista de 19 metros. Esta estação será também construída em NATM (New Austrian Tunnelling Method).

Estação Alcântara


Créditos: Metropolitano de Lisboa

A futura estação Alcântara ficará localizada em viaduto sobre o Vale de Alcântara, estabelecendo a correspondência com a estação ferroviária de Alcântara-Terra e a futura Linha Intermodal Sustentável Ocidental. A chegada à zona de Alcântara via permitir a cobertura de uma zona densa e de convergência de vários meios de transporte.

É estimado que estas 4 novas estações potenciem um aumento do número de clientes do Metropolitano de Lisboa na ordem dos 4,7%. Do total de novos passageiros, 87,7% deverão ser já utilizadores de outros meios de transporte público e 11,8% serão utilizadores de transporte individual, o que correspone a uma diminuição diária do número de veículos individuais em circulação na ordem dos 3700. Estima-se que os ganhos de tempo alcancem os 72%, dos quais 53,2% correspondem a utilizadores atuais, e que a transferência de passageiros dos meios de transporte rodoviário para o Metropolitano de Lisboa permitam a redução de emissão de CO2 em 6200 toneladas no primeiro ano de operação.

Metro Ligeiro de Superfície


Créditos: Metropolitano de Lisboa

Previsto também no Plano de Recuperação e Resiliência está a construção de um metro ligeiro de superfície ligando Odivelas e Loures, num investimento na ordem dos 250 milhões de euros. Este sistema de transporte servirá as freguesias de Loures, Santo António dos Cavaleiros e Frielas, no concelho de Loures, numa extensão prevista de 8,4 km e contanto com cerca de 11 paragens, e as freguesias de Póvoa de Santo Adrião, Olival Basto, Odivelas, Ramada e Caneças, no concelho de Odivelas, numa extensão prevista de 4 km e contanto com cerca de 7 paragens. Esta linha irá descrever um “C”, com os dois términos localizados no concelho de Loures, no Hospital Beatriz Ângelo e no Infantando, fazendo interface com a estação Odivelas.

LIOS - Linha Intermodal Sustentável

O Metropolitano de Lisboa celebrou um protocolo de colaboração com as câmaras municipais de Lisboa, Oeiras e Loures e com a Carris para o estudo, planeamento e concretização do projeto “LIOS - Linha Intermodal Sustentável” nas suas várias vertentes técnicas, ambientais, financeiras e operacionais. Este projeto, com um investimento estimado de 447 milhões de euros, contempla 24,4 km de um novo serviço de transporte público que irá assegurar a ligação rápida e estruturante entre as zonas ribeirinhas de Lisboa, Oeiras e Loures e as principais interfaces de Lisboa. Este novo serviço será dividido em duas linhas: a LIOS Ocidental, que ligará Oeiras a Alcântara numa extensão de 14 km e contando com 24 paragens, e a LIOS Oriental, que ligará Santa Apolónia a Sacavém numa extensão de 10,4 km e contando com 17 paragens.